segunda-feira, 8 de julho de 2013

FESTA JUNINA - BRASIL





Na época da colonização do Brasil, após o ano de 1500, os portugueses introduziram em nosso país muitas características da cultura europeia, como as festas juninas.
Mas o surgimento dessas festas foi no período pré-gregoriano, como uma festa pagã em comemoração à grande fertilidade da terra, às boas colheitas, na época em que denominaram de solstício de verão. Essas comemorações também aconteciam no dia 24 de junho, para nós, dia de São João.
Essas festas eram conhecidas como Joaninas e receberam esse nome para homenagear João Batista, primo de Jesus, que, segundo as escrituras bíblicas, gostava de batizar as pessoas, purificando-as para a vinda de Jesus.
Assim, passou a ser uma comemoração da igreja católica, onde homenageiam três santos: no dia 13 a festa é para Santo Antônio; no dia 24, para São João; e no dia 29, para São Pedro.
Os negros e os índios que viviam no Brasil não tiveram dificuldade em se adaptar às festas juninas, pois são muito parecidas com as de suas culturas.
Aos poucos, as festas juninas foram sendo difundidas em todo o território do Brasil, mas foi no nordeste que se enraizou, tornando-se forte na nossa cultura. Nessa região, as comemorações são bem acirradas – duram um mês, e são realizados vários concursos para eleger os melhores grupos que dançam a quadrilha. Além disso, proporcionam uma grande movimentação de turistas em seus Estados, aumentando as rendas da região.
Com o passar dos anos, as festas juninas ganharam outros símbolos característicos. Como é realizada num mês mais frio, enormes fogueiras passaram a ser acesas para que as pessoas se aquecessem em seu redor. Várias brincadeiras entraram para a festa, como o pau de sebo, o correio elegante, os fogos de artifício, o casamento na roça, entre outros, com o intuito de animar ainda mais a festividade.
As comidas típicas dessa festa tornaram-se presentes em razão das boas colheitas na safra de milho. Com esse cereal são desenvolvidas várias receitas, como bolos, caldos, pamonhas, bolinhos fritos, curau, pipoca, milho cozido, canjica, dentre outros.


At the time of the colonization of Brazil, after the 1500s, the Portuguese introduced in our country many features of European culture, such as state fairs.
But the emergence of these parties was in the pre-Gregorian, as a pagan festival in commemoration of the great fertility of the land, with good harvests, the time they called the summer solstice. These celebrations also took place on the 24th of June, for us, the day of Saint John
These parties were known as Johannine and were named in honor of John the Baptist, cousin of Jesus, who according to biblical scriptures, liked to baptize people, purifying them for the coming of Jesus.
Thus, it became a celebration of the Catholic church, where honor three saints: the 13th is the feast for St. Anthony, on the 24th, to St. John, and on the 29th, to St. Peter.
Blacks and Indians living in Brazil had no difficulty in adapting to June festivals, they are very similar to those of their cultures.
Gradually, the June festivals were being spread throughout the territory of Brazil, but it was in the northeast which took root and became strong in our culture. In this region, the celebrations are quite heated - last for a month, and several competitions are held to elect the best groups dancing the quadrille. Moreover, they provide a great movement of tourists in their states, increasing the incomes of the region.
Over the years, state fairs have won other characteristic symbols. As is done in the coldest month, huge bonfires are now lit so that people aquecessem around them. Several games went to the party, as the greasy pole, mail elegant, the fireworks, the wedding in the countryside, among others, in order to further enliven the festivities.
The typical dishes of this party becomes present because of good harvests in the corn crop. With this cereal are developed several recipes, such as cakes, soups, tamales, fried dumplings, curau, popcorn, baked corn, hominy, among others.


Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola







Nenhum comentário: